Quem não tem um website

OPINIÃO

Teresa Salvado

Começo com uma declaração:
Um Website é in-dis-pen-sá-vel a uma empresa.

Muito provavelmente todos concordarão com esta afirmação. No entanto, segundo dados do INE, do final de 2019, só 59% das empresas em Portugal têm website. Muito abaixo da média europeia, que em 2016, apresentava valores de 77%. Acredito que em 2019 estes valores não tenham descido.

Qual a razão deste fenómeno, quando vivemos na Era das tecnologias? Quando o comércio eletrónico é, cada vez mais, uma opção e as ferramentas digitais estão à distância de um click?

Apesar de todos estes argumentos, a realidade é outra. Temos um tecido empresarial composto, maioritariamente, por Pequenas e Médias Empresas. E isto diz tudo, da pior forma.

Muitas destas empresas estão, ainda, nas mãos de empresários que sempre trabalharam da mesma maneira e não vêm com bons olhos muitas mudanças.

Enquanto consultora de comunicação esbarro, muitas vezes, em donos de empresas que não encontram qualquer mais valia em que a empresa tenha um site, faça uma newsletter para os seus clientes ou aposte numa boa gestão das redes sociais. Sentem que é um gasto desnecessário e sempre estiveram habituados a ter a tesouraria da empresa bem controlada. E as estratégias sempre direcionadas para a produção dos seus produtos ou serviços.

Outro dos cenários que verifico são as PME que vivem em situação de morte anunciada, algo que deverá ter-se agravado com o período de quarentena. Com baixa faturação e impostos demasiado elevados ficam sem margem para crescer. O investimento implica, nestes casos, endividamento, que não conseguem depois comportar. Ou seja, a comunicação da empresa, na qual está incluído um website profissional e bem gerido, acaba por ficar para segundo plano. Estes itens acabam por ser desenvolvidos e mantidos com a prata da casa. E nem sempre corre bem.

Encontram-se com frequência maus websites, sem conteúdos relevantes e desatualizados. Portanto, a juntar às empresas que ainda não apostaram num website há as que abandonaram o seu.

Mas esta é uma boa altura para as empresas investirem em websites, que poderão ser uma alavanca para o seu negócio.
Os empresários têm de mudar a sua maneira de ver as coisas.
Um website não é um gasto, é um INVESTIMENTO.

A ler também:

O cliente tem sempre razão… ou então não